VOZ DE PERFORMANCE: É a voz utilizada, profissionalmente ou não, em apresentações (Fala ou Canto)

Minha foto
São Paulo, São Paulo, Brazil
Reinaldo Kazuo Yazaki é médico otorrinolaringologista, CIRURGIÃO OTORRINO E CIRURGIÃO DE VOZ, CRM 107745, também pesquisador em Voz & Laringologia, tb dedicado à VOZ CANTADA, graduado na Escola Paulista de Medicina. Obteve Título de Médico-Residente Concursado, do Depto. de Otorrinolaringologia da Universidade Federal de São Paulo. Em exame teórico-Prático, obteve o Título de Especialista em OTORRINOLARINGOLOGIA em 2006, pela Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Tornou-se médico-colaborador totalmente voluntário e orientador-voluntário dos médicos-residentes da Universidade Federal de São Paulo, na área de Laringologia e Voz, Cirurgias de Voz e Câncer de Laringe, desde 2006 até 2011. Tem interesse especial por Voz Profissional e Cantada e Cirurgia Oto-Rino-Laringológica. Tem afinidade pela atuação em Cirurgia. Hoje, tem como principais atividades profissionais as cirurgias para a VOZ, das amígdalas, desvios de septo, especialmente em cantores, com experiência em TODAS as cirurgias otorrinolaringológicas, incluindo as de CANTORES profissionais. __reinaldoyazaki@yahoo.com___Consultório:11-9.83737503.

BARíTONO!!!

BARíTONO!!!
Saudades do CORAL UNIFESP !!!!

Aula dada no CONGRESSO BRASILEIRO DE OTORRINOLARINGOLOGIA, SEÇÃO DE LARINGOLOGIA E VOZ PROFISSIONAL

Aula dada no CONGRESSO BRASILEIRO DE OTORRINOLARINGOLOGIA, SEÇÃO DE LARINGOLOGIA E VOZ PROFISSIONAL
COMO AVALIAR O CANTOR LÍRICO E POPULAR EM 4 PASSOS: RUMO A UMA AVALIAÇÃO MAIS RACIONAL E DIRECIONADA PARA A QUEIXA DA VOZ CANTADA.

Coral Unifesp

Coral Unifesp
Espetáculo: " A era do rádio: 70 anos da Rádio Nacional": Casa lotada em vários dias de apresentação: + de 300 pessoas por dia!!!!!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

MOVIMENTOLOGIA LARÍNGEA E DO TRATO VOCAL

É o protocolo do consultório sobre o ESTUDO PROSPECTIVO DOS MOVIMENTOS BIOMECÂNICOS DA LARINGE DO TRATO VOCAL DURANTE AS TAREFAS VOCAIS CANTADAS OU FALADAS, que já conta com mais de 1.000 cantores, dentre profissionais e amadores, e já dura 07 anos.

Objetivo: Avaliar a dificuldade biomecânica nas disfonias funcionais (que não apresentam lesão), as estratégias fisiológicas de movimentos laríngeos, dos diversos estilos de canto, o impacto negativo das lesões em pregas vocais na fisiologia e nos movimentos da laringe. Traçar, com auxílio do fonoaudiólogo e do professor de canto, estratégias de exercícios vocais e cuidados médicos gerais que possam trazer cura mais precoce desta dificuldade, evitando ao máximo a cirurgia vocal ou laríngea. Utilizar a cirurgia vocal como último meio de tentativa de melhora.

Sinais laringoscópicos de refluxo na laringe: será que realmente tenho refluxo??? Será que podem ser responsabilizados pela dificuldade em minha voz???

"Frequentíssimamente no cotidiano do consultório de Otorrinolaringologia, diagnostica-se no mundo todo o REFLUXO LARINGOFARÍNGEO, DOENÇA DO REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO COM REPERCUSSÃO LARINGOFARÍNGEA, REFLUXO NAS PREGAS VOCAIS, SÍNDROME FARINGOLARÍNGEA DO REFLUXO. Entre nós, otorrinos brasileiros e  internacionais, sempre existe a indagação: -será que existe tudo isso de refluxo que estamos diagnosticando?? 

Os sintomas que ocorrem, nesses casos, NÃO SÃO EXCLUSIVOS DE REFLUXO, podendo ocorrer também em outras condições médicas como, por exemplo, a RINITE ALÉRGICA, a RINITE NÃO-ALÉRGICA, o USO DE ATRITO EXAGERADO NA PRODUÇÃO VOCAL, nas TRAQUEÍTES CRÔNICAS. Há, ainda, estudos, que dizem que a inflamação pode ocorrer de forma isolada na laringe, tendo surgido dela mesma. 

PORTANTO, talvez a expressão "sinais de refluxo na laringe" possa estar equivocada, pois nos induz a pensar em tratar medicamente o refluxo gastroesofágico, quando na verdade possa se tratar de outras entidades. 

PREFERIMOS utilizar a expressão "síndrome faringolaríngea da laringite posterior", pois esta abrange todas as possibilidades, enquanto nós, médicos, prosseguimos com as investigações para chegarmos ao diagnóstico mais definido. 

Temos observado que a porcentagem real de refluxo nos pacientes com os sintomas genéricos é muito menor do que seria, se pensarmos nas outras causas citadas acima. 

Logo, se há sintomas de refluxo, sem melhora com os tratamentos para refluxo, pensem que pode ser outra a causa dos seus sintomas na fala ou no canto. "

(Reinaldo Yazaki)

SOBRE O SIGILO MÉDICO DO ARTISTA:

"Como médico que cuida de performers e outros artistas, deparo-me com o desafio da PRESERVAÇÃO DO SEGREDO-SIGILO MÉDICO, contra divulgações dos quadros clínicos para três instâncias: (a)Mídia's/Imprensa's, (b)Classe a que pertencem, (c)Empregadores. Sofro algumas críticas e, por vezes, algumas retaliações de alguma dessas instâncias por não informar a causa do afastamento por licença/atestado ou da dificuldade vocal momentânea. Mesmo assim, creio que DEVO CONTINUAR a manter este sigilo, que resguarda o artista da divulgação de uma fragilidade que pode trazer consequências negativas para sua carreira atual ou futura, seja esta dificuldade temporária ou somente tratável por cirurgia. IMPORTA-ME, COMO MÉDICO, A PREVENÇÃO DE QUE PEQUENAS CONDIÇÕES VOCAIS RUINS SE TORNEM GRANDES, QUANDO TRARIAM CONSEQUÊNCIAS DELETÉRIAS DO PONTO DE VISTA DE GASTOS FINANCEIROS COM CIRURGIAS E/OU COM NECESSIDADES DE AFASTAMENTOS OBRIGATÓRIOS DO ESPETÁCULO EM CARTAZ, EVITANDO SUBSTITUIÇÕES DEFINITIVAS COM PERDA DEFINITIVA DA EXPOSIÇÃO AO PÚBLICO. ANTES UM AFASTAMENTO DE ALGUNS SHOWS, DO QUE TODO ESTE RESTO." 

terça-feira, 14 de outubro de 2014

QUANDO UM CANTOR PROFISSIONAL DEVE SE SUBMETER À UMA CIRURGIA EM SUAS CORDAS/PREGAS VOCAIS??? (OPINIÃO PRIVADA, EM TRÂMITE DE PESQUISA CIENTÍFICA)


POST DE PRUDÊNCIA VOCAL:

"A CIRURGIA DE PREGAS ou CORDAS VOCAIS em cantores profissionais DEVE SER, a princípio, realizada quando há lesões ou machucados de ORIGEM RECENTE e que POSSAM SER CULPADOS pela DIFICULDADE NA PERFORMANCE DO CANTO que estes apresentam como QUEIXA para a nossa equipe de saúde de voz.
 
Variações anatômicas (Alterações estruturais mínimas, como conhecidas no nosso meio) que existem há muitos anos e acompanharam o início e o meio da CARREIRA INTEIRA desses cantores NÃO DEVEM, em minha opinião, SER CULPADAS PELA ATUAL DISFONIA OU DIFICULDADE VOCAL, pois estiveram presentes em todos os outros momentos, sem queixas ou descompensações, portanto, TAMBÉM NÃO DEVEM SER SUBMETIDAS A CIRURGIAS e, SIM, a TREINAMENTOS/CONDICIONAMENTOS VOCAIS com FONOAUDIÓLOGOS FORMADOS e ESPECIALIZADOS EM VOZ, BEM COMO a aulas de canto COM PROFESSORES DE CANTO experientes QUE ACEITEM A PARCERIA ORL-FONO-PEDAGOGIA/CANTO. 

Tenho recebido um sem-número de CANTORES COM EXPERIÊNCIA DE 7 ANOS OU MAIS, que têm recebido a INDICAÇÃO DE UMA CIRURGIA DE INFILTRAÇÃO DE SORO FISIOLÓGICO NAS PREGAS VOCAIS, pasmem, em cantores sem-lesões de pregas vocais, com o INTUITO PROMETIDO de atingir notas musicais mais agudas, na altura dos ícones desses mesmos. 

A minha OPINIÃO SOBRE ESTE PROCEDIMENTO, o que está sob estudo e pesquisa científica, é que esta cirurgia- afinal "fura" as cordas vocais- pode transformar um cantor de voz MAIS LEVE em cantor de voz MAIS PESADA, o que lhe tiraria as maiores chances de desenvolver o técnica de voz mista, que mescla ambos as regiões de ajustes dualmente distintos da voz cantada, e permite o trânsito em direção aos agudos mais fácil e uma voz profissional mais duradoura, por aliviar os atritos envolvidos com todas as vocalizações do dia-a-dia."

PEÇO QUE COMPARTILHEM ESSAS INFORMAÇÕES, A FIM DE QUE POSSAM PENSAR ANTES DE ACEITAREM A REALIZAÇÃO DESSES PROCEDIMENTOS, quem numa parte desses cantores poderia representar o fim da voz aguda.

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Vozes da sociedade e suas complexidades: qual voz é mais complexa?

Seguramente, a voz mais complexa da sociedade é a voz cantada. Envolve mais de 20 notas musicais ou frequências distintas, em brilhos e timbres distintos, com volumes e intensidades também distintos, com usos sistemáticos que beiram o "desumano", em shows muitas vezes demasiado longos com mais de 40 canções de intérpretes distintos, por serem cantados somente por um ou dois cantores. 

POSTO ISTO, verifica-se que temos outras vozes de outras profissões que dependem da voz no trabalho e, nestas, as demandas ou necessidades não costumam ser diferentes, uma vez que existe a necessidade obrigatória de uso no trabalho. 

Considerando o caráter multifatorial que envolve a voz cantada, a mais complexa, AFIRMO que todas as outras vozes da sociedade tornam-se mais acessíveis ao tratamento com otorrinos e fonos, quando estes profissionais conhecem "a fundo" a fisiologia e o processo de diagnóstico e terapêutica da VOZ CANTADA. 

VALE RESSALTARMOS que muitas vezes o diagnóstico de distúrbios dos movimentos biomecânicos da laringe em cantores pode também ser aplicado em não-cantores, com muito bons resultados, já que a voz costuma ser única, mudando somente o grau de complexidade em que é utilizada em cada indivíduo na sociedade. 

ALGUNS médicos referem que deveriam alguns não-cantores passarem por aulas de canto para tornar o processo de cura e melhora mais rápido. PARTICULARMENTE, NÃO COMPARTILHO DA MESMA IDEIA, uma vez que creio que DEVEMOS SER NÓS, OS CUIDADORES, que deveríamos saber utilizar estes instrumentos do canto, como fatores de manejo, em cada caso individual, na cura e melhora daqueles que não são cantores. Aulas de canto para um EXECUTIVO ou PRESIDENTE poderiam ser dispendiosas do ponto-de-vista de tempo. DEVEMOS ser nós aqueles que sabem O QUE  utilizar.

Estou contente que em nosso país, especialmente, haja crescido tanto interesse na compreensão da FISIOLOGIA DA VOZ CANTADA, seguindo o exemplo de CHILE, em que isto será ensinado dentro de institui ções universitárias, com cursos de meses de duração. Logo, fonoaudiólogos e otorrinos chilenos colherão os frutos de tamanho investimento, POIS OS CONHECIMENTOS APROFUNDADOS DA FISIOLOGIA E BIOMECÂNICA DA VOZ CANTADA são PRIMORDIAIS na compreensão de todas as outras vozes da sociedade. Hoje, depois de 7 anos de pesquisas, posso dizer que antes de ter aprendido tudo, creio que deveria ter aprendido esta fisiologia, pois aí então TUDO TERIA SIDO MAIS FÁCIL. 



FELICÍSSIMO ANO NOVO DE 2014 PARA TODOS VOCÊS! Desejo que neste próximo ano, continuemos a promover melhoras na Vida e na Qualidade de Vida! 
Que a Arte continue a crescer em São Paulo e no Brasil, em prol da solidificação progressiva que tem ocorrido nos últimos anos, na carreira artística! 
E que, nós, deste Consultório de Otorrinolaringologia Aplicada à Voz Artística e de Performance (Profissional e Amadora), possamos continuar a cuidar, ajeitar, aprimorar, operar, tratar esses OUVIDOS, NARIZES, OUVIDOS, GARGANTAS E CORDAS VOCAIS de todos vcs, ARTISTAS E OUTROS usuários da voz no trabalho ou iniciantes! 
Um beijo caloroso e um abraço apertado com muito boas energias, 

Dr. Rei

domingo, 29 de setembro de 2013

SOBRE o trabalho do meu Consultório de Otorrinolaringologia Aplicada à Voz de Performance e Artística, nos últimos anos:


"OBJETIVOS
Ensinar, divulgar, conscientizar a população de cantores- atores de teatro musical paulistano sobre o funcionamento da laringe e do trato vocal, os cuidados de saúde vocal, mecanismos de prevenção de lesões e a necessidade de acompanhamento médico, fonoaudiológico e com professor de canto.

MATERIAL E MÉTODO
Levantamento realizado com material de prontuários do consultório de otorrinolaringologia frequentado principalmente por cantores profissionais com atuação profissional de ponta e seleta, discussões com especialistas internacionais da área, aulas frequentadas nos congressos internacionais da área de voz, registros de mais de 700 cantores profissionais e amadores, em imagens de exames laringoscópicos, estroboscópicos e avaliações fibroendoscópicas do canto.

DESENHO DO ESTUDO
Relato de experiência, associado a evidências científicas e hipóteses em teste. Descrição científica dos cuidados de saúde vocal.

RESULTADO
A repetição da observação dos diversos fenômenos de postura e movimentos laríngeos e do trato vocal nos permite encontrar dados ou comportamentos biomecânicos que não são congruentes com saúde e outros que representam proteção vocal. A associação de doenças como alergia ou refluxo podem ser fatores que reduzem a eficiência na performance, bem como as infecções, que se associaram a lesões agudas, como a inchaços pontuais nas pregas vocais. Cantores tiveram a tendência de subestimar lesões em suas pregas vocais, por crerem que se tratava de refluxo. A automedicação contribui para a performance, mas associou-se a efeitos colaterais graves em alguns pacientes, como aumento de peso, aparecimento de estrias na pele, dores de estômago muito fortes, fraqueza geral e perda de disposição, e até lesões nas pregas vocais. Ao contrário do que a literatura aponta, não observamos efeitos colaterais vocais que pudessem se atribuídos ao uso de medicações antibióticas, analgésicas, antiinflamatórias, corticóides, desde que tomados alguns cuidados médicos.

CONCLUSÕES parciais
É de suma importância valorizar o aparecimento do declínio na boa qualidade vocal, que não retorna à normalidade de forma espontânea. Esta é a principal forma de detectar alterações vocais iniciais e leves, que podem melhorar com o cessar-atrito vocal, ou seja, com o repouso vocal associado a medicações e alguns cuidados. Também, permite que tratemos logo aquela infecção ou alergia que afetaria ou impediria a importante performance profissional alguns dias depois, que poderia trazer danos à reputação do performer e/ou do espetáculo, bem como redução de ganhos diversos."
(Direitos de Reinaldo Kazuo Yazaki, Reinaldo Yazaki, Dr.)

segunda-feira, 15 de abril de 2013

FELIZ DIA MUNDIAL DA VOZ!!! 16 ABRIL 2013


VOZ é SER. EXPRESSÃO do nosso MELHOR, já que ninguém está aqui só por estar. MELHOR que podemos CANTAR, ATUAR, RECITAR, PROCLAMAR, PALESTRAR, AMAR, ENCANTAR, XAVECAR, ENSINAR, JULGAR, ABENÇOAR, CULTUAR, APRENDER, REPETIR, CANTARATUAR, PRODUZIR, CRIAR, COORDERNAR, ORIENTAR, EXPRESSAR, ADORAR, ACARICIAR, ENDIREITAR, PROTEGER, IDENTIFICAR, ASSOCIAR e inúmeras outras ações de nosso cotidiano pessoal e profissional que tornam nossas vidas mais belas e VÁLIDAS ou VALIOSAS! FELIZ DIA MUNDIAL DA VOZ!!! MENSAGEM DO DR. REI PARA TODOS AQUELES QUE GOSTAM E CUIDAM DE SUAS VOZES!!! (RY)

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Levantamento dos Motivos de Consulta no Consultório

Cada vez mais, percebo que o médico otorrino que tb se dedica ao tratamento da Voz Profissional e Cantores torna-se a referência para as urgências em voz/ouvidos/nariz/garganta dos usuários profissionais da voz. Mais da metade dos pacientes do Consultório de Otorrinolaringologia e Laringologia & VOZ vêm por causa de resfriados/gripes/sinusites/laringites/traqueítes/pneumonias/faringites/amigdalites/otites, seguidos de alergia/refluxo e, felizmente (para os cantores), em último lugar (e que assim continue), lesões em pregas vocais. Assim, temos a chance de aproveitar a consulta de urgência para introduzir todos os cuidados preventivos de lesões em pregas vocais!!!!! :) :) :)

terça-feira, 9 de abril de 2013

DICA LARINGOLÓGICA DO DIA: Voz com alteração recente VERSUS Desejo/Obrigação de Performance:

Um dos fatores de maior risco para a prática da Voz Profissional, seja esta cantada ou falada, é a performance sob condições laríngeas ou cordais do profissional, que têm determinado redução da qualidade da voz e/ou necessidade de esforços ou ajustes para que se torne possível. 
Se há alteração ("Peso", Aeração, Timbre Agravado, Esforço de Apoio, Esforço de Laringe, Tensão Fonatória, Redução da Projeção, Incapacidade de Pianos, Quebra em Agudos, ou outros) de voz de início recente, O IDEAL É DEFINIR-SE O DIAGNÓSTICO, feito por laringoscopia, por médico otorrinolaringologista. POR QUÊ? 

Na presença de uma lesão/inflamação nova em pregas vocais, qualquer tentativa de CANTO OU FALA com maiores projeções, "metais" ou volumes, PODERÁ ocasionar lesões piores que, ou necessitarão de repousos mais demorados da voz na profissão, ou até de CIRURGIA DE VOZ, para mais rápida recuperação. O medo não é a cirurgia, que tem excelentes resultados em mãos experientes, mas da OBRIGAÇÃO DE REPOUSO VOCAL PÓS-OPERATÓRIO, sem possibilidade de trabalhar com a voz, por períodos variáveis que, sim, levam a complicações profissionais maiores para o usuário daquela voz. O objetivo de nosso consultório é evitar esses estresses maiores, por acompanhar essa população, de perto. (RY)

domingo, 24 de março de 2013

Dificuldade no canto. Júri. Culpa da voz falada ou da voz cantada? Julguem!

"Voz falada e voz cantada são uma unicidade no cantor. Os graves da fala devem pertencer, em grau de contato glótico, aos graves da tessitura cantada que, por sua vez, devem assemelhar-se neste mesmo contato, aos agudos e sobreagudos da mesma.
Quebras ou má qualidade de 1a passagem ou 2a passagem no canto, ambas, vêm quase sempre acompanhadas de vozes faladas muito eloquentes, fortes e eficientes. Este peso todo se transpõe para as outras 13 notas mais agudas e não permite mesclar registros em prol de um canto com menos esforço. 
A CULPA É DA FALA? Não, NA MINHA OPINIÃO, não se pode culpar a fala ou o canto, afinal, se a fonoterapia trabalhar somente as 5 notas musicais da fala, de dentro de uma parte pequena da tessitura, provavelmente, A DIFICULDADE NÃO SE SANARÁ. Homogeneidade de 18 notas é necessária no cantor. 18 notas deverão ser trabalhadas, para o equilíbrio dessa voz.
Essa é minha experiência em relação à valorização de culpa em vozes cantada ou falada. AMBAS são uma única. A principal causa de falha de outros tratamentos antes de chegar às nossas equipes de tratamento vocal, foi trabalhar somente a voz falada, qdo na verdade, homegeneidade era a necessidade." (RY)

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Sobre minha opinião no uso de corticóides inalatórios para tratar as pregas vocais.

Nas rouquidões agudas em cantores, os CORTICÓIDES INALATÓRIOS parecem ter mais efeito psicológico que real. Não confio muito no seu uso, e tive DOIS pacientes que pioraram por causa deste. Cantores que se auto-medicam acabam vindo buscar ajuda qq hora por causa de complicações, muitas vezes com necessidade de operar ou de ficar muito mais tempo de repouso obrigatório de voz. É o que minha experiência tem mostrado. O IDEAL é que o médico dedicado à voz esteja SEMPRE DISPONÍVEL para "EXAMINAR e DIAGNOSTICAR" no CANTOR ao MOMENTO da NECESSIDADE e com MÏNIMA ANTECEDÊNCIA em relação ao USO PRINCIPAL DA VOZ no palco ou na gravação. (RY)

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

COMO TENHO ESCRITO AQUI ALGUMAS VEZES, vejam o que encontrei nas palavras do Dr. GERRIT WOHLT, MD, médico alemão de Berlim/Viena, dedicado à Medicina das Artes Vocais, experientíssimo com vozes líricas de alta performance, leiam:


"When singers develop acute illnesses, the voice doctor is often called to the scene to cure a performer within a few hours, if possible. This is often not possible due to the slow metabolic processes of the vocal folds.

In this regard, the previously often used “larynx injection” should be warned against. This is an installation of decongestant medications, often with the addition of a local anesthetic. The anesthetizing effect of this medication causes the performers to partly lose kinesthetic control of their voice and for the most part encourages them to use a disproportionately strong voice, which due to the disorder would normally have been perceived by them as painful or inappropriate.


In this way, inflammatory states can be masked and the development of phonation thickenings promoted.

When in doubt, the artist is always better advised to cancel a performance rather than run the risk of developing severe inflammation or even phonation thickenings.

Likewise, the so-called “cortisone injection” shortly before performing must be strictly advised against. Acute vocal disorders in singers mostly develop due to viral or bacterial inflammation.

The cortisone injection does temporarily suppress the concomitant inflammatory symptoms (redness, swelling, heat), but does not treat the actual cause of the dysphonia.

As a result, the singer is induced to vocalize too intensely and risks delayed regeneration as well as the development of vocal fold nodules.

However, as a decongestant drug for treating vocal fold inflammation, cortisone has frequently proved itself. However, the voice should continue to be consciously protected."

domingo, 11 de novembro de 2012

O que é FENDA GLÓTICA? É sempre sinal de doença? Existe algum procedimento médico para auxiliar no seu fechamento?

Possuímos duas pregas vocais que estão atrás do pomo-de-Adão, que se afastam para que respiremos e se juntam para que vocalizemos ou engulamos algum alimento. 

Para que ocorra voz eficiente, ou seja, que se produza facilmente com a mínima quantidade de ar que sobe dos pulmões até as cordas, há necessidade de contato vocal completo, de toda a parte voltada para o meio, afim de que se aproveite todo o ar para vibrar estas estruturas. Seria o equivalente aos lábios da boca ao iniciarem vibrações feitas para exercícios ou brincadeiras, em que se houver escapes maiores não os conseguimos vibrar.

A FENDA GLÓTICA é, logo, o espaço que permanece entre as pregas vocais, mesmo durante a fonação, e que noz faz perder um pouco do ar que seria útil para iniciar ou manter a vibração das pregas vocais. Esta dita fenda pode ser VOLUNTÁRIA, quando auto-criamos esta abertura para fins estéticos ou artísticos na voz, ou INVOLUNTÁRIA, quando mesmo que queiramos NÃO SE É POSSÍVEL FECHÁ-LA, mesmo algumas vezes com esforço.

É nesta última que mora o DESCONFORTO, pois temos necessidade de descobrir porque ocorre, com diagnóstico MÉDICO, por meio da LARINGOSCOPIA. Pode ter inúmeras causas, dentre outras, os CALOS, os PÓLIPOS, os CISTOS, os TRAUMATISMOS NAS PREGAS VOCAIS, HEMATOMAS e até PARALISIAS de uma das cordas. Muito comum agora e também causa de fenda, com o envelhecimento da população brasileira, está sendo a PRESBIFONIA (Presbi= envelhecimento, Fonia= voz), que é a voz típica dos idosos, mas que se apresentam com queixa de voz.
Outras CAUSAS, ainda, dentre várias outras, são as condições em que há menos tecido disponível para juntar as cordas, por causa de cirurgias, irradiações, dentre outros.

A FENDA GLÓTICA causa ao ouvinte a sensação de uma bexiga esvaziando-se durante a vocalização e, por causa disso, muitas vezes obriga o indivíduo a respirar mais vezes durante a mesma, além de quase sempre levá-lo a um quadro de esforço de aperto na garganta, a hiperconstrição, para que consiga de alguma forma produzir alguma voz mais inteligível e projetável. Isto cansa tanto os músculos da respiração quanto os músculos que circundam a laringe, levando muitas vezes à FADIGA VOCAL.

FENDA GLÓTICA NÃO É DIAGNÓSTICO, É A CONSEQUÊNCIA DE ALGUM DIAGNÓSTICO, QUE IMPACTA A FUNÇÃO VOCAL. 

O tratamento dessas condições que geram as FENDAS É VARIADO. 

MUITO EM VOGA, atualmente, estão as reposições ou AUMENTOS DE VOLUME nas pregas vocais, por meio de SUBSTÂNCIAS VISCOSAS variadas em forma de GÉIS. Estes são aplicados dentro das cordas vocais, com o paciente acordado/consciente e sob ação de Anestesia em Spray de Lidocaína, com uso de pinças especiais e vídeo. Geralmente, tudo é feito pela boca junto com a LARINGOSCOPIA. PERMITEM, geralmente, QUE O PACIENTE FALE MELHOR LOGO AO FIM DO PROCEDIMENTO, sem mudar o equilíbrio fino da ação dos músculos que auxiliam na fonação e SEM necessidade de repouso vocal após o mesmo. O paciente, em geral, pode falar o quanto quiser assim que termina o procedimento. A duração do procedimento é de 10 minutos, entre anestesia com inalação e injeção. E volta para casa, na maioria das vezes, já falando melhor. 


domingo, 30 de setembro de 2012

International CV


1. Name: Reinaldo Kazuo Yazaki
2. Birth: 30/08/1976
3. Age: 36 years
4. Brazilian nationality
5. Speaks fluently: English, Portuguese, Spanish and Understands Japanese language
6. Profession: Medical doctor, General Otorhinolaryngologist-Surgeon, also dedicated to Laryngology/Phonosurgery
7. Graduation: FEDERAL UNIVERSITY OF SAO PAULO (1997-2002)
8. Medical Residency: FEDERAL UNIVERSITY OF SAO PAULO (2003-2006)
9. Specialization in Laryngology/Phonosurgery: FEDERAL UNIVERSITY OF SAO PAULO (2006-2008)
10. Master's Sciences: FEDERAL UNIVERSITY OF SAO PAULO (2008-2010), in proces. "Membranous Glottal Anteroposterior Proportion After Performance of Low and High tones During Singing, in Choral Singers"
11. General Otorhinolaryngology Practice (Surgical and Clinical): Public attention since 2008, until today, with continued contact with general specialty practice. Responsible for the Otorhinolaryngological Section of Endoscopy in a Diagnostic Medicine lab, since 2008, where he has performed around 100 laryngeal or nasal endoscopies and stroboscopies per month, for referring ENT doctors.
12. Private Office: 80% patients are professional voice users, mainly Performers. Experience of more than 2.000 ENT surgeries from 2007-2011.
13. Medline publications: 

a. Modifications of vestibular fold shape from respiration to phonation in unilateral vocal fold paralysis.
Steffen N, Vieira VP, Yazaki RK, Pontes P.
J Voice. 2011 Jan;25(1):111-3. Epub 2010 Mar 17.

b. The difficult management of patients with respiratory segmental dystonia.
De Biase NG, Pontes PA, Santos VJ, Vieira VP, Zambonato P, Yazaki RK.
Braz J Otorhinolaryngol. 2007 Mar-Apr;73(2):278-83.
PMID:
 17589739 [PubMed - indexed for MEDLINE] 

c. Vestibular fold configuration during phonation in adults with and without dysphonia.
Nemetz MA, Pontes PA, Vieira VP, Yazaki RK.
Braz J Otorhinolaryngol. 2005 Jan-Feb;71(1):6-12. Epub 2006 Jan 2.
PMID:
 16446884 [PubMed - indexed for MEDLINE] 

d. Vestibular folds configuration in vocal nodule.
Tuma J, Brasil OO, Pontes PA, Yasaki RK.
Braz J Otorhinolaryngol. 2005 Sep-Oct;71(5):576-81. Epub 2006 Mar 31.
PMID:
 16612517 [PubMed - indexed for MEDLINE] 

e. [Hyperthyroidism related to McCune-Albright syndrome: report of two cases and review of the literature].
Sallum AC, Leonhardt FD, Cervantes O, Abrahão M, Yazaki RK.
Arq Bras Endocrinol Metabol. 2008 Apr;52(3):556-61. Review. Portuguese.
PMID:
 18506282 [PubMed - indexed for MEDLINE] 

14. Congresses, Symposiums: Has attended around 05 five international congresses per year, on his own expenses. Is a repetitively invited lecturer of his national congresses of Otolaryngology (twice a year, since 2011), on the field of Laryngology.
15. Scientifical Interest: Phonosurgery and Pathophysiology of Singing Voice, High Speed Camera, Biological Prosthesis
16. Scientific purpose academic visitations: Marc Remacle's Belgium Service (2009), Ian Olofsson's and John Heimdal's Norwegian Service (2009), Tadews Nawka's Berliner Service (2009). 
17. Plans to undergo Doctorship Program in the Future
18. Needs to see more developed ENT technology
19. Needs to see experienced physicians in work to develop new ideas
20. Needs to discover ways to prevent professional dysphonias
21. Has written 2-3 book chapters about Laryngology Topics since 2009
22. Has taken part of some Magazine Articles in General Otorhinolaryngology (Twice a year, since 2009)


Pregas vocais branquinhas e retinhas na minha última laringoscopia, mas tenho ROUQUIDÃO DEPOIS DE SHOWS OU PERDA DE QUALIDADE NA VOZ. O que fazer?

Em Voz Cantada, nem sempre a Forma diz respeito à Função, ou seja, nem sempre o funcionamento é ditado pelo formato dos órgãos de aparência normal. Nesta, o MOVIMENTO da laringe é mais importante do que a Forma, pois este pode levar a alterações neste formato de tamanhos maiores que, sim, trarão as queixas de voz. O tendão de um atleta de ponta pode estar inflamado, mas o formato do órgão está preservado na foto promocional. Na voz, ocorre o mesmo, devemos buscar o PROVÁVEL MECANISMO DE LESÃO, mesmo quando a FOTO da laringe parece normal. Portanto, se há queixa de voz, não se contentem com a normalidade da FOTO das pregas vocais. DISFONIAS FUNCIONAIS têm diagnósticos esmiuçados que, se descobertos pelo médico otorrino dedicado à voz, anteciparão o desaparecimento da queixa ao serem tratados por fonoaudióloga. Toda disfonia causada por função equivocada é CONSIDERADA FATOR PRÉ-LESÃO DE PREGAS VOCAIS. (RY)

domingo, 23 de setembro de 2012

Ainda que NÃO seja superior à ESTROBOSCOPIA, aqui deixo outro exemplo da HIGH SPEED, pois Ciência, apesar de nem sempre aplicável à prática, é COOL!



Aqui um outro exemplo de VOZ COM DRIVE, onde é possível ver a onda da mucosa se formar nas falsas pregas vocais, que estão logo acima das verdadeiras pregas vocais. AMAZING! 
OBS: PARA SE TER UMA IDÉIA, essa emissão durou no máximo 02 segundos!!!


  • Reinaldo Yazaki PERGUNTA A SER FEITA: QUANTO QUE ISSO ADICIONARÁ ÀS ESTRATÉGIAS DE FONOTERAPIA?
  • Reinaldo Yazaki SERÁ QUE VALERÁ A PENA, VISTO QUE HÁ VÁRIAS MANEIRAS DIFERENTES DE EMITIR UM MESMO GRUPO DE TONS MUSICAIS?
  • Reinaldo Yazaki SE ESTAMOS FALANDO DE AJUSTES, VCS ACHAM QUE O EXAME FEITO PELA BOCA (HIGH SPEED SEMPRE ASSIM É FEITO) PERMITE VERIFICAR POSTURAS REAIS DA LARINGE E DO TRATO VOCAL, JÁ QUE A LÍNGUA ESTÁ INVARIAVELMENTE PRESA PELOS DEDOS DO MÉDICO?
  • Reinaldo Yazaki POR ISSO, nem tudo o que reluz é ouro, vamos aguardar as pesquisas para ver se vale a pena!

Câmera de Alta Velocidade OU Estroboscopia, qual é melhor???

Aqui deixo um exemplo de VÍDEO ORIGINADO DE CÂMERA DE ALTA VELOCIDADE (HIGH SPEED) PARA LARINGOSCOPIA, oriundo de um Kay-Pentax, colorido, cuja APLICAÇÃO serve primordialmente para vozes que não tem regularidade de vibração e não sincronizam com a Estroboscopia, que é AINDA o MELHOR EXAME para verificar ESTRUTURA+VIBRAÇÃ0 das pregas vocais. 

High-Speed PECA (de Pecado!!!) por avaliar SOMENTE alguns SEGUNDOS de UM ÚNICO TIPO DE EMISSÃO, dentre vários tipos que podem ser feitos para uma mesma tarefa vocal. Avaliar um cantor com isso LEVARIA UMA SEMANA PARA CADA CANTOR. 

LOGO, creio que será interessante para a Pesquisa e aguardo ansiosamente a descoberta de sua real aplicabilidade clínica para INVESTIR os 100 mil dólares..!!! Rsrsrs!


sábado, 22 de setembro de 2012

"FATORES DE QUEBRA e INSUCESSO DE REPOUSO VOCAL RELATIVO"


Da Série DICAS DE SAÚDE VOCAL DO DR. REINALDO YAZAKI:
"FATORES DE QUEBRA e INSUCESSO DE REPOUSO VOCAL RELATIVO" (Aquele em que se pode falar o estritamente necessário):

1. Voz projetada para mais de MEIO metro
2. Quaisquer conversas em ambiente com Qualquer Ruído
3. Excesso de Força ou Frequência de Pigarro ou Tosse ou Vômito
4. Voz muito grave ou grossa
5. Tempo de uso de voz maior do 20% do que seria usado normalmente em 24 horas
6. Sintomas como Ardor/Dor/Piora/Esforço com o uso de Qualquer Vocalização.

COMUNIQUE O MÉDICO SE HOUVER SINTOMAS.

domingo, 16 de setembro de 2012

Meus cuidadores disseram que devo mudar totalmente minha voz...???

"O artista ou performer vocalmente completo detém várias vozes, desde saudáveis até não-saudáveis. A otorrino dedicada à voz artística e a fonoaudiologia auxiliam na descoberta das saudáveis e alerta para os cuidados nas não-saudáveis. Voz de sucesso não pode ser muito mudada, nenhum caminho vocal de mudança deve ser sem retorno, cada aprendizado é um novo instrumento artístico, que será utilizado pelo Performer, segundo sua liberdade artística. Mas agora com a noção do quanto e do como." (reinaldo yazaki)

sábado, 15 de setembro de 2012

DICA IMPORTANTE DE SAÚDE DE VOZ CANTADA sobre a Avaliação MÉDICA ANUAL para Cantores ou Performers Populares ou Clássicos?

DICA IMPORTANTE DE SAÚDE DE VOZ CANTADA, aos Cantores, EXPLICANDO O PORQUÊ de INDICARMOS A AVALIAÇÃO ANUAL DAS PREGAS VOCAIS E DO TRATO VOCAL NOS PERFORMERS POPULARES/CLÁSSICOS:

"NÃO DEMOREM PARA VERIFICAR A CAUSA DE SUA ROUQUIDÃO OU DIFICULDADES NOS SEUS AGUDOS, POIS PEQUENAS LESÕES NAS PREGAS VOCAIS PODEM SOFRER ADAPTAÇÃO REALIZADA POR AJUSTES FONATÓRIOS, ESCONDENDO A QUEIXA E A LESÃO, QUE PODERÁ VOLTAR À TONA, SEMPRE PIOR, EM MOMENTOS DE MAIOR DEMANDA E NECESSIDADE DE VOZ DE BOA QUALIDADE."

Neste ano de 2012, houve 3 diagnósticos de lesões, quando os cantores achavam que era SOMENTE refluxo.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Qualquer um pode Cantar? Como funciona a voz?? Como acontece o canto?


Texto de Reinaldo Yazaki.

NO SIGNIFICADO DE CAPACIDADE ESPECIAL E TALENTO, O ATO DE CANTAR PODE SER VISTO COMO UM DOM DE QUALQUER INDIVÍDUO QUE DETÉM TRÊS OUTRAS CAPACIDADES: BOA AUDIÇÃO E DISCRIMINAÇÃO AUDITIVA DAS NOTAS MUSICAIS, DOMÍNIO DO PROCESSO DE VOCALIZAÇÃO PARA ATINGIR ESTAS MESMAS NOTAS MUSICAIS E COORDENAÇÃO MOTORA. SEGURAMENTE, PODE-SE DIZER QUE É ALGO APRENDIDO, JÁ QUE NÃO VEMOS BEBÊS CANTANDO AO NASCER E QUE CANTAR É ALGO MUITO MAIS COMPLEXO QUE FALAR.

OS PULMÕES FUNCIONAM COMO O FONTE DO AR QUE DESENCADEIA A VIBRAÇÃO SONORA. AS PREGAS VOCAIS SÃO A FONTE DE VIBRAÇÃO SONORA NAS DIVERSAS FREQUÊNCIAS OU NOTAS MUSICAIS. AS CAVIDADES DE RESSONÂNCIA DA FARINGE, CAVIDADE ORAL, NASAL, SEIOS PARANASAIS E TÓRAX MODIFICAM OU AMPLIFICAM OS SONS. DIFERENTEMENTE DE OUTROS INSTRUMENTOS MUSICAIS CRIADOS PELO HOMEM, ENTRETANTO, A PRODUÇÃO DA VOZ CANTADA É MUITO MAIS COMPLEXA DO QUE ESTES TRÊS COMPONENTES BÁSICOS QUE REGEM OS INSTRUMENTOS FABRICADOS. É UMA INTERAÇÃO DINÂMICA ENTRE O TRATO VOCAL, ABDOME, MÚSCULOS DIAFRAGMA E INTERCOSTAIS, SISTEMA MÚSCULOESQUELÉTICO E SISTEMA PSICONEUROLÓGICO. TODOS ESTES DEVEM ESTAR EM PLENO E PERFEITO FUNCIONAMENTO, NUM PADRÃO EXTREMAMENTE COORDENADO PARA PRODUZIR COM EXATIDÃO O SOM DESEJADO. NA REALIDADE, PODE-SE DIZER QUE TODOS OS MÚSCULOS DO CORPO PODEM, ATÉ CERTO PONTO, ESTAR ENVOLVIDOS NA PRODUÇÃO DA VOZ CANTADA.

A FONTE SONORA DA PRODUÇÃO VOCAL SÃO AS PREGAS VOCAIS. ESTE SOM SERÁ TRABALHADO PELAS CAVIDADES QUE ESTÃO SITUADAS ENTRE AS PREGAS VOCAIS E OS LÁBIOS, NUM TÚNEL EM FORMA DE “L” QUE FORMAM O TRATO VOCAL (RESSONÂNCIA E REFLEXÃO SONORAS). É UMA ATIVIDADE QUE ENVOLVE MUITÍSSIMA ATIVIDADE NEUROCOGNITIVA, QUE PASSA POR MEMÓRIA, EMOÇÃO, ATUAÇÃO, CONTROLE DE MOVIMENTOS FINOS DE 22 MÚSCULOS QUE REGEM O ÓRGÃO DA VOZ QUE É A LARINGE, EM DUAS PREGAS VOCAIS DE 1,5 A 2,3 CM DE COMPRIMENTO (FONTE VIBRATÓRIA) QUE NECESSITAM DE DIVERSOS GRAUS DE ESTIRAMENTO OU RIGIDEZ EM CONSTANTE EQUILÍBRIO, ACOPLADOS À ADEQUADA RESPIRAÇÃO TÓRACICA E PULMONAR (FONTE DE AR).

AS PREGAS VOCAIS MOVIMENTAM-SE POR MEIO DAS ARTICULAÇÕES CRICOARITENÓIDEAS, CONSIDERADAS AS MAIS COMPLEXAS DO ORGANISMO, POR REALIZAREM TODOS OS TIPOS DE MOVIMENTO: ELEVAÇÃO, DESLIZAMENTO E ROTAÇÃO. ESTES MOVIMENTOS DE APROXIMAÇÃO JUNTO DA LINHA MÉDIA E SEU AFASTAMENTO SÃO FINAMENTE REGULADOS POR AJUSTES DOS MÚSCULOS LARÍNGEOS QUE RODEIAM ESTAS ARTICULAÇÕES. DOIS OUTROS PARES DE MÚSCULOS, O TIREOARITENÓIDEO E O CRICOTIREÓIDEO, REGULAM A VARIAÇÃO DA FREQUÊNCIA VOCAL, OU SEJA, GRAVES, INTERMEDIÁRIOS E AGUDOS. ESTES, PODEM ATUAR TANTO DE FORMA ANTAGÔNICA (GRAVE-AGUDO), QUANTO AGÔNICA (REFORÇO DE TODAS AS NOTAS DA VOZ). A CAPACIDADE DE PRODUZIR TAMANHA VARIAÇÃO DE NOTAS MUSICAIS PRESSUPÕE QUE A VIBRAÇÃO CORDAL OCORRA MAIS RAPIDAMENTE QUE A CONTRAÇÃO MUSCULAR. PARA ISSO, FORÇAS AERODINÂMICAS NECESSITAM SER MODIFICADAS PARA PERMITIR A REGULARIDADE DESTA VIBRAÇÃO RÁPIDA, DE FORMA COORDENADA. (TEORIA MIOELÁSTICA-AERODINÂMICA DA FONAÇÃO, VAN DE BERG, 1958). POR ISSO, OS TECIDOS DAS PREGAS VOCAIS NECESSITAM DE MÚSCULO-ELASTICIDADE PARA DEFORMAREM DE FORMA CONTROLADA COM A CONTRAÇÃO MUSCULAR. PARA ISSO, EXISTE UM SISTEMA DE CAMADAS ESPECIALIZADAS DESLIZANTES NAS PREGAS VOCAIS DE SERES HUMANOS, QUE É CONSIDERADO ÚNICO NA ESCALA FILOGENÉTICA.

O PRINCÍPIO BÁSICO DA PRODUÇÃO VOCAL COMEÇA COM O CONTATO DAS PREGAS VOCAIS NA LINHA MÉDIA, FECHANDO A GLOTE. CONFORME O AR PASSA ENTRE AS PREGAS VOCAIS, SEUS TECIDOS INICIAM MOVIMENTO OSCILATÓRIO COM A EXPULSÃO DE AR PROVENIENTE DOS PULMÕES. PELO ACÚMULO SUBSEQUENTE DE AR ABAIXO DAS PREGAS VOCAIS COM A GLOTE SEMICERRADA, OCORRE AUMENTO DA PRESSÃO SUBGLÓTICA, QUE ENTÃO VENCE A RIGIDEZ DE FECHAMENTO GLÓTICO, DEFORMANDO-AS E EMPURRANDO-AS PARA OS LADOS, AFASTANDO-AS DA LINHA MÉDIA. CONFORME O AR PASSA ENTRE AS PREGAS, A PRESSÃO SUBGLÓTICA CAI DRASTICAMENTE, O QUE ENTÃO PERMITE QUE A RIGIDEZ MUSCULAR DA GLOTE PASSE A PREPONDERAR, LEVANDO AS PREGAS PARA UM NOVO CONTATO, COM AUXÍLIO DO EFEITO DE BERNOULLI, QUE RESULTA DO “VÁCUO TRANSITÓRIO” ENTRE A PASSAGEM DE PULSOS DE AR. DESSA FORMA, A PRESSÃO SUBGLÓTICA AUMENTA NOVAMENTE E O CICLO SE FECHA. ISSO PODE OCORRER MÚLTIPLAS VEZES A CADA SEGUNDO, PERMITINDO QUE A LARINGE HUMANA PRODUZA VIBRAÇÕES OU UMA FREQUÊNCIA DE ATÉ 2.500 CICLOS POR SEGUNDO EM ALGUNS CANTORES. 

PODEMOS INTERPRETAR A VOZ HUMANA COMO UM CONJUNTO DE NOTAS MUSICAIS E CADA UMA DESTAS REPRESENTA UMA DETERMINADA FREQUÊNCIA VOCAL, OU SEJA, UM NÚMERO DE VEZES POR SEGUNDO EM QUE OCORRE A SUA VIBRAÇÃO. TAL COMO UM INSTRUMENTO MUSICAL DISTINTO DIFERE DO OUTRO, PESSOAS DIFERENTES POSSUEM CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E ANATÔMICAS QUE DETERMINAM DISTINTOS ÓRGÃOS E, LOGO, DIFERENTES VOZES. PORTANTO, MESMO QUANDO DUAS PESSOAS DIFERENTES OU DOIS INSTRUMENTOS DISTINTOS PRODUZEM UMA MESMA FREQUÊNCIA OU NOTA MUSICAL, SABEMOS DISCERNIR CARACTERÍSTICAS QUE LHES DÃO IDENTIDADE, OU ATÉ PRODUZEM AFEIÇÃO OU OJERIZA. A ESTE CONJUNTO DE CARACTERÍSTICAS QUE DETALHAM UMA VOZ, DENOMINA-SE TIMBRE.

A DIFERENÇA INTERPESSOAL DO TIMBRE VOCAL RELACIONA-SE A COMPOSICÃO, POSTURA E CONFIGURAÇÃO DA LARINGE E DO TRATO VOCAL, QUE SÃO, RESPECTIVAMENTE, O ÓRGÃO CONSIDERADO A FONTE SONORA, E O CONJUNTO DE CAVIDADES E TUBOS PELOS QUAIS O SOM PASSA, SOFRENDO MARCANTES MODIFICAÇÕES FÍSICAS E RESSONANTAIS, QUE ORIGINARÃO O PRODUTO FINAL, QUE É A VOZ.

NAS PREGAS VOCAIS, PODEMOS UTILIZAR AJUSTES DE ALONGAMENTO QUE DETERMINAM VOZES MAIS AGUDAS/ALTAS E ENCURTAMENTO, QUE SE RELACIONAM A VOZES MAIS GRAVES/BAIXAS. PODEMOS, TAMBÉM, DETERMINAR VOZES MAIORES OU MENORES, SEGUNDO GRAU DE CONTATO E ATRITO ENTRE AS PREGAS VOCAIS, POR PERMITIRMOS MAIOR TEMPO DE CONTATO, DANDO VÁRIAS POSSIBILIDADES DE VOLUME EM DECIBÉIS PARA ESTA VOZ. O ATO DO CANTO PODE SER INTERPRETADO COMO UMA ATIVIDADE FÍSICA DESTE ÓRGÃO, QUE MOVIMENTA-SE COM MAIOR OU MENOR AGILIDADE, COMO O BRAÇO OU A PERNA, CONFORME O COMANDAMOS.

COMO EM QUALQUER INSTRUMENTO MUSICAL, A VOZ POSSUI UMA EXTENSÃO E UMA TESSITURA EM NOTAS MUSICAIS. ENQUANTO NA EXTENSÃO TEMOS TODAS AS NOTAS MUSICAIS PASSÍVEIS DE PRODUÇÃO POR INDIVÍDUO, NA TESSITURA TEMOS SOMENTES OS SONS BELOS E ENCANTADORES. CADA UM NASCE COM A POSSIBILIDADE DE CANTAR COM MAIS BELEZA E FACILIDADE CERCA DE 14 NOTAS MUSICAIS OU DUAS OITAVAS. ALGUNS PODEM CANTAR MAIS AGUDOS OU MAIS GRAVES QUE OUTROS, MAS IGUALMENTE BONITOS. ESTA DIFERENÇA TAMBÉM SE FAZ PRESENTE SEGUNDO O SEXO E A IDADE. SEGUNDO CLASSIFICAÇÃO DE VOZES LÍRICAS OU CLÁSSICAS FEITAS PELOS PROFESSORES DE CANTO LÍRICO, NASCEMOS E CRESCEMOS COM A POSSIBILIDADE DE TER UMA ÚNICA, SEJA DE BAIXO, BARÍTONO OU TENOR, PARA HOMENS E DE CONTRALTO, MEIO-SOPRANO E SOPRANO, PARA AS MULHERES. HÁ PESSOAS QUE PODEM EMITIR MAIS QUE 14 NOTAS, MAS QUE NÃO SÃO COMUNS. JÁ DENTRO DO CANTO POPULAR, NÃO RARO ESTES CANTORES CONSEGUEM CANTAR MAIS QUE 14 NOTAS, JÁ QUE O AJUSTE LARÍNGEO E DE TRATO VOCAL O PERMITE, SENDO POR ISSO QUE NÃO CABE, CONCEITUALMENTE, A CLASSIFICAÇÃO APLICADA AOS LÍRICOS.

ESTES TUBOS SÃO ELÁSTICOS E MOLDÁVEIS PELAS CONTRAÇÕES DOS MÚSCULOS QUE OS COMPÕEM, PODENDO ALONGAR, DEIXANDO O SOM MAIS OBSCURO OU ARREDONDADO, OU ENCURTAR, DEIXANDO-O MAIS BRILHANTE E ABERTO OU ATÉ METÁLICO. DA MESMA FORMA, PODEMOS UTILIZAR EM DIFERENTES GRAUS A PASSAGEM DO SOM AO NARIZ, DANDO OUTRAS POSSIBILIDADES ACÚSTICAS PARA ESTA MESMA VOZ. AINDA, PODE-SE ABRIR MAIS OU MENOS A BOCA, TAMBÉM MODIFICANDO-SE MUITO O SOM FINAL.

ALGUMAS VOZES CANTADAS ENCANTAM MAIS QUE OUTRAS SEGUNDO UM TIMBRE MAIS PRIVILEGIADO, CUNHADO PELA POPULAÇÃO OU PLATÉIA. ISSO LEVA EM CONSIDERAÇÃO AS PREFERÊNCIAS SÓCIOCULTURAIS, O MOMENTO CULTURAL, A INTERPRETAÇÃO E EXPRESSÃO CORPORAL DURANTE A PERFORMANCE, O CONTEÚDO DAQUILO QUE ESTÁ SENDO CANTADO E A EMPATIA QUE AQUELE CANTOR EXPRIME. POR EXEMPLO, OS ESTADOSUNIDENSES PREFEREM VOZES FEMININAS CANTADAS MAIS AGUDAS E METÁLICAS, ENQUANTO OS BRASILEIROS TÊM PREFERIDO VOZES FEMININAS MAIS GRAVES E POR VEZES ATÉ ROUCAS. PORTANTO, O TIMBRE VOCAL PRIVILEGIADO RELACIONA-SE MAIS ÀS PREFERÊNCIAS COLETIVAS QUE A UM PADRÃO ESPECÍFICO DE VOZ, O QUE TAMBÉM LEVA EM CONTA O ESTILO DE CANTO (LÍRICO, GOSPEL, SOUL, ROCK, BELTING, SERTANEJO E OUTROS).

CONFORME DISCUTIMOS ACIMA, NASCEMOS COM ÓRGÃOS VOCALIZADORES COM TODOS ESTES POTENCIAIS. MÉDICA E VOCALMENTE, UMA INTERVENÇÃO CIRÚRGICA SOMENTE DEVERÁ SER INDICADA SE HOUVER DOENÇA VOCAL, NOS TECIDOS DAS PREGAS VOCAIS, QUE NÃO MELHORE COM TRATAMENTOS CLÍNICOS, DAÍ A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO VOCAL DADO POR MÉDICO OTORRINOLARINGOLOGISTA QUE ATUE NA ÁREA DA VOZ CANTADA, EM TRABALHO SEMPRE CONJUNTO COM FONOAUDIÓLOGO E PROFESSOR DE CANTO, NA MANUTENÇÃO DA SAÚDE VOCAL DO CANTOR. UM TENOR NASCE TENOR. UMA SOPRANO NASCE SOPRANO. COM SAÚDE, EM GERAL NÃO É POSSÍVEL CANTAR FORA DE SUA CLASSIFICAÇÃO, QUANDO SE TRATA DE VOZ LÍRICA OU GRANDE. JÁ NO CANTO POPULAR, ISTO É MUITO COMUM, COM TREINO.


CIRURGICAMENTE, PODEMOS ATUAR NO TRATO VOCAL, OU SEJA, ONDE A VOZ TEM O SEU ACABAMENTO. MAS NUNCA COM O FIM DE MELHORAR A VOZ MAS, SIM, DE MELHORAR A RESPIRAÇÃO NASAL OU REMOVER AMÍGDALAS QUE SEJAM MUITO GRANDES, POR OUTROS MOTIVOS. NÃO EXISTE A AFIRMATIVA DE JUSTIFICAR UMA CIRURGIA NO TRATO VOCAL PARA MELHORAR A VOZ. ISSO É IRREAL.

HÁ PESSOAS QUE EVOLUEM MAIS RÁPIDO OU QUE APRENDERAM DESDE CEDO A MELHOR FORMA DE UTILIZAREM SEUS ÓRGÃOS, E SERÁ ESPERADO QUE ESTAS TENHAM MAIS CHANCES DE ATINGIR O PICO de performance ANTES. MAS TENHO VISTO CANTORES QUE COMEÇARAM A CANTAR MUITO MAIS VELHOS E ATINGIRAM GRANDE SUCESSO.


POR ISSO, O TREINO E A SAÚDE VOCAL SÃO OS FATORES PRINCIPAIS PARA ATINGIR O PICO DE PERFORMANCE, SENDO QUE TUDO ISSO DEVE ESTAR MUITO REGADO DE EMOÇÃO E AMOR À PROFISSÃO, O QUE GERA DEDICAÇÃO E VONTADE DE INVESTIR NESTA EVOLUÇÃO.
POR ISSO, SE O TREINO É A PRINCIPAL INTERVENÇÃO, É NECESSÁRIO ESCOLHER UM BOM PROFESSOR DE CANTO, QUE TRABALHE EM CONJUNTO COM OTORRINOLARINGOLOGISTA DEDICADO À VOZ E FONOAUDIÓLOGO.

(Direitos Reservados) 

REINALDO YAZAKI é médico especialista em otorrinolaringologia, também dedicado aos cuidados médicos da Voz Artística e Profissional, oriundo da Universidade Federal de São Paulo, que atende em consultório privado e realiza cirurgias otorrinolaringológicas nos Hospitais Albert Einstein e Oswaldo Cruz.